Pensa bem. Toda a matéria-prima e energia envolvida para produzir um material. Agora imagina depois de tanto trabalho descartar em menos de alguns minutos. Faz sentido? Acho que não.

O material reciclável não garante que seja reciclado. Primeiro ele precisa ser destinado à reciclagem, mas não são todas as cidades que trabalham com coleta seletiva. Mesmo destinado no local correto, o material pode não ser reciclado porque a empresa não processa aquele tipo, ou porque são materiais mistos que não podem ser separados, ou porque a embalagem está tão suja que se transforma em rejeito e vai para o aterro.

Agora pensa no plástico que é derivado do petróleo e não vem de uma fonte renovável. Faz ainda menos sentido.

Comprar a granel ajuda a evitar os embalados. É uma alternativa legal para diminuir os resíduos, conhecer novos locais e produtos. Não são todas as cidades que tem lojas a granel, mas já é muito comum encontrar em feiras livres, mercados municipais e casas de produtos naturais.

Confesso que no começo duvidei que daria certo. O segredo foi pedir com jeitinho e planejar a compra antes de sair de casa.

Comece levando o próprio pote, saquinho ou sacola de tecido. Depois peça para pesar a embalagem antes de pesar o produto, ou seja, tirar a tara. Acredite: é bem mais fácil do que parece.

Ainda bem que já existem locais que incentivam a trazer a própria embalagem. Para comprar sem peso na consciência. Em Sorocaba conheci a Bendita Venda (produtos a granel), o Pão de Açúcar (supermercado) e o Local Growler (cerveja local a granel). Você pode levar o próprio recipiente, mas se não estiver preparado é possível comprar potes de vidro, saquinhos de tecido ou garrafas.

Outros locais em Sorocaba onde comprei e aceitaram: barracas da feira livre do CEAGESP, Banco do Márcio no Mercado Municipal e Empório Natural.

Seja gentil. Em alguns locais os atendentes podem não estar preparados. Considere que essa atitude pode ser algo que nunca viram antes. É legal se antecipar e dizer: Não precisa de sacolinha, obrigada. Pode colocar direto no saquinho/potinho, por favor? Ainda assim, quando insistem em ensacolar, desembalo e explico com tranquilidade: Obrigada, mas vou colocar direto na bolsa. Vou acabar não usando a sacolinha, pode ficar.

Geralmente em mercado ou hortifruti onde o produto é pesado direto no caixa ninguém se incomoda quando coloco no saquinho de tecido. Uma vez esqueci de levar, coloquei as cebolas soltas no carrinho e pesei direto no caixa. Foi super tranquilo. Se ainda assim tiver alguma dúvida se é permitido, não sinta vergonha de perguntar. Não há nada de errado em recusar plástico.

Há uma infinidade de produtos a granel. Temperos, grãos, cereais, sementes, farinhas, açúcares, proteínas vegetais, macarrão, sopas, chocolate, cacau, biscoitos, docinhos, etc.

Gostaria, mas ainda não consigo encontrar líquidos (exceto cerveja), queijos vegetais ou lácteos, produtos de limpeza (exceto bicarbonato), higiene e cosméticos naturais. Quando não encontro, tudo bem, compro com embalagem ou faço em casa. Dou preferência para papel, metal, vidro e, infelizmente, plástico.

Dá para levar essa ideia para as compras na feira e padaria. Às vezes os atendentes se preocupam se o saquinho de tecido vai sujar. É só dizer: “Tudo bem, não tem problema”. Vá sem culpa. A água usada para lavar é muito menor se comparada a água utilizado no processo de fabricação ou reciclagem.

Participe do blog

O seu endereço de e-mail não será publicado.